Oscar 2012 – Lista dos vencedores

Apresentada por Billy Crystal pela nona vez, a cerimônia foi aquela coisa meio tediosa de sempre, embora Crystal seja um mestre de cerimônias muito mais competente do que James Franco, que foi totalmente apagado por Anne Hathaway ano passado (e a rápida aparição de Robert Downey Jr. forçou mais uma vez a pergunta que muitos fazem: quando vão chamá-lo para apresentar uma cerimônia?). Conforme o previsto, O Artista foi o grande vencedor da noite, levando cinco estatuetas – empatado com A Invenção de Hugo Cabret, que ganhou cinco prêmios técnicos. E, num ano cheio de bobagens indicadas, o saldo até foi bem positivo, já que, embora os premiados talvez não fossem os melhores em suas categorias, a maioria era muito boa e poucas mediocridades saíram celebradas.

Além disso, eu e o amigo Rafael Gloria (do Nonada) fizemos um esforço para oferecer comentários ao vivo via internet, especialmente para os que não podiam acompanhar a transmissão pelo TNT e foram obrigados a assistir a cerimônia mutilada pela Globo e, pior ainda, “comentada” por José Wilker (se alguém precisou se torturar com isso, por favor, compartilhe as pérolas da vez). Foi cansativo, mas muito gratificante, e esperamos repetir a dose no Oscar 2013.

Pontos baixos: já era quase certo, mas continuei aborrecido pelo fato que Octavia Spencer, que vive uma personagem absurdamente caricata em Histórias Cruzadas, tenha tirado o prêmio de Atriz Coadjuvante de Bérénice Bejo. E a vitória de Os Descendentes por seu roteiro meia-boca só não me deixou muito furioso porque Jim Rash, o reitor Pelton da fabulosa série Community, estava entre os premiados.

Pontos altos: ainda que por um filme criticadíssimo (tanto politicamente quanto como Cinema), foi emocionante ver Meryl Streep aplaudida de pé no Kodak Theatre. Sim, seria bem melhor vê-la agraciada por um trabalho como o soberbo Dúvida, de 2008 – mas no fim das contas, sua vitória por A Dama de Ferro também foi uma reconhecimento pelo conjunto da obra. Merecedor da mesma honra foi um dos homenageados da cerimônia, James Earl Jones – mais conhecido pelas vozes de Mufasa e, é claro, Darth Vader. Além disso, fiquei sinceramente feliz de ter errado as previsões nas categorias de Efeitos Visuais e Montagem. Hugo utiliza os efeitos de forma mais sutil que os outros indicados, além de fazer um emprego magnífico do 3D; enquanto Millennium consegue a façanha de fazer com que uma história de quase 3 horas de duração passe voando, estabelecendo um ritmo bastante ágil (entre outros méritos da dupla Kirk Baxter e Angus Wall, premiados pelo segundo ano consecutivo – venceram ano passado por A Rede Social, também de David Fincher).

Segue a lista dos vencedores (Das 20 apostas que fiz, acertei 12):

Melhor Filme
O Artista – Thomas Langmann

Melhor Filme Estrangeiro
A Separação – Asghar Farhadi (Irã)

Melhor Filme de Animação
Rango – Gore Verbinski

Melhor Direção
Michel Hazanavicius, O Artista

Melhor Ator
Jean Dujardin, O Artista

Melhor Atriz
Meryl Streep, A Dama de Ferro

Melhor Ator Coadjuvante
Christopher Plummer, Toda Forma de Amor

Melhor Atriz Coadjuvante
Octavia Spencer, Histórias Cruzadas

Melhor Roteiro Original
Meia-Noite em Paris – Woody Allen

Melhor Roteiro Adaptado
Os Descendentes – Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash

Melhor Trilha Sonora
O Artista – Ludovic Bource

Melhor Canção
“Man or Muppet”, Os Muppets – Bret McKenzie

Melhor Montagem
Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres – Kirk Baxter e Angus Wall

Melhor Fotografia
A Invenção de Hugo Cabret – Robert Richardson

Melhor Direção de Arte
A Invenção de Hugo Cabret – Dante Ferretti e Francesca Lo Schiavo

Melhor Figurino
O Artista – Mark Bridges

Melhor Maquiagem
A Dama de Ferro – Mark Coulier e J. Roy Helland

Melhor Mixagem de Som
A Invenção de Hugo Cabret – Tom Fleischman e John Midgley

Melhor Edição de Som
A Invenção de Hugo Cabret – Philip Stockton e Eugene Gearty

Melhores Efeitos Visuais
A Invenção de Hugo Cabret – Robert Legato, Joss Williams, Ben Grossmann e Alex Henning

Melhor Documentário em Longa-Metragem
Undefeated – Daniel Lindsay, T.J. Martin e Rich Middlemas

Melhor Documentário em Curta-Metragem
Saving Face – Daniel Junge e Sharmeen Obaid-Chinoy

Melhor Curta-Metragem
The Shore – Terry George e Oorlagh George

Melhor Curta-Metragem de Animação
The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore– William Joyce e Brandon Oldenburg

Alguém não se encaixa nesse time.

Anúncios

Publicado em 27/02/2012, em Premiações e marcado como , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: